Histórias

Até a seleção na TV tiraram do povo

Sabemos que a TV Globo declinou da compra dos direitos de transmissão de Peru x Brasil, que será disputado esta noite em Lima. Isso deverá se repetir em outros jogos das eliminatórias em que o Brasil for visitante. Aqui, a partida será exibida por um canal de streaming pago. Lembrei logo de certa vez em que algo muito parecido aconteceu na Argentina. 

Apenas um canal pago havia comprado os direitos e resolveu cobrar ao povo pela transmissão de um jogo da seleção daquele país. Imediatamente a então presidente Cristina Kirchner interveio na situação. Foi em 2009. Ela comprou os direitos de TV aberta e abriu a exibição para a TV pública. E foi além: no contexto da criação da Lei de Meios Audiovisuais, criou o programa Futebol para Todos, que, além dos jogos da seleção, passou a oferecer a primeira divisão da Argentina. É até hoje apontado por especialistas em comunicação como o maior movimento de democratização na difusão em massa do esporte na América do Sul. 

Cristina Kirchner comprou briga com o principal grupo de mídia da Argentina.

A legislação deixou bem claro que era obrigatório o acesso universal às transmissões esportivas e que nem mesmo a condição de exclusividade deveria alterar essa premissa. A lei irritou demais o Grupo Clarin. Com a eleição de Macri para a presidência da República, a lei foi desmantelada e – ora que surpresa! – o Programa Futebol para Todos foi entregue à iniciativa privada. Eis que agora situação quase idêntica se apresenta no Brasil. É bem verdade que a relação entre a seleção e o povo se deteriorou em vinte anos. Mas o futebol segue como uma referência da nossa própria cultura popular. E a seleção, como um dos seus artífices, jamais deveria ser negada à grande massa da população brasileira, principalmente àquela que não tem acesso à internet, não tem dinheiro pra pagar mensalidade de streaming e que só tem a sua velha TV aberta como instrumento de comunicação com o resto do mundo. 

Tivéssemos um Ministério das Comunicações de verdade, algo seria feito para atender ao interesse da população neste sentido, por mais que a CBF tenha feito força para dissociar a seleção das grandes massas populares. Esse jogo (e outros) deveria ser adquirido e transmitido na TV pública, como se dizia, do Oiapoque ao Chuí, sem nenhum tipo de segregação por condição geográfica, social ou de tamanho da conta bancária. Mas enfim… depois de venderem até a água, vender o direito do povo de ver a seleção brasileira é canarinho. Ou melhor, pinto.

Atualização: às 19:00 desta terça, 13/10, a CBF, por meio de nota em seu site oficial, informou que haverá transmissão do jogo para todo o Brasil via TV Brasil. A entidade firmou um contrato que possibilita a veiculação do jogo em canal público. Além disso, a entidade mostrará a partida em seu canal no YouTube.

Deixe um comentário